Odete da Silva Souza saiu de Araraquara para ver a irmã que estava desaparecida e há pelo menos 20 anos era mantida por casal em situação análoga à escravidão.

“Agora a gente sabe que ela está bem”. Foi assim, com sentimento de alívio, que Odete da Silva Souza descreveu o reencontro que teve com a irmã após viajar 200 km e encerrar com um abraço a tristeza por anos de separação. E ele só ocorreu após Iva, de 63 anos, ser libertada do cárcere privado no qual era mantida há pelo menos 20 anos em Vinhedo (SP), segundo a Polícia Civil. O casal que a mantinha em situação análoga à escravidão foi preso em flagrante e irá responder por estelionato, tortura e cárcere privado.

O reencontro entre as irmãs ocorreu no prédio da Secretaria de Assistência Social de Vinhedo. Morando em Araraquara (SP), Odete contou que não via Iva há 47 anos, já que a irmã saiu cedo de casa para trabalhar como doméstica e a família perdeu contato. Um boletim de ocorrência de desaparecimento chegou a ser registrado na Polícia Civil em 1996.

“Minha mãe já não tinha mais esperanças”, contou Odete, ao destacar que a matriarca da família ainda mora em Colorado (PR). Segundo ela, a expectativa é que a mãe visite Iva em Vinhedo, onde ela está acolhida em um abrigo para idosos. Não há data para que isso ocorra.

Segundo o secretário de Assistência Social de Vinhedo, Eduardo Galasso Calligaris, o destino de Iva ainda não está definido. De acordo com ele, a idosa está muito assustada com toda a situação, e faz questão de rever a senhora de quem tomava conta, de 88 anos, que foi transferida a um hospital da cidade.

Casal está preso

Ecio Pilli Junior e Marina Okido, filha da idosa mais velha, foram presos suspeitos de passar cheques sem fundo no nome da vítima e de mantê-la em condições análogas à escravidão. O homem foi encaminhada nesta terça ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Jundiaí (SP), e ela à cadeia de Itupeva (SP).

De acordo com a Polícia Civil, além de manter Iva há pelo menos 20 anos reclusa, cuidando de outra idosa, o casal usava uma conta aberta no nome dela para aplicar golpes em comércios no bairro Vila João XXIII, em Vinhedo.

Segundo a Polícia Civil, o casal e as idosas viviam em casas separadas, mas os suspeitos iam até a residência das mulheres todos os dias. Mariana tinha passagem por agressão na década de 1970 e o homem não tinha antecedentes criminais.

G1

Edi Brachtvogel Boschi

Editora, jornalista e repórter do Jornal Parceiros Net. Autora do Hino do município de Serranópolis do Iguaçu.