Diego Giromini comemorou a prisão da ativista da extrema-direita e ainda compartilhou que a ativista é movida por fama e dinheiro e tem ‘esse jeito desde pequeninha’

O irmão da ativista bolsonarista Sara Winter, Diego Giromini, de 37 anos, comemorou nesta segunda-feira (15), a prisão da jovem. De acordo com ele, Sara é “uma pessoa totalmente descontrolada, que só quer aparecer na mídia”. Diego ainda chamou a irmã de “sociopata” e disse que ela compartilha da mesma “cabeça” da assassina Suzane Von Richthofen. 

As declarações foram feitas durante entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Diego ainda compartilhou que a ativista da extrema-direita é movida por fama e dinheiro e tem “esse jeito desde pequeninha”. “É uma sociopata. Não serve para nada. Ela tem a cabeça da Suzane von Richthofen”, afirmou. Segundo ele, a irmã não pode viver em sociedade e já teria prejudicado sua família, a política e o país. 
Diego acredita que a prisão teria sido um plano arquitetado por ela.

“Ela já deve saber quantos dias vai ficar presa, vai ficar mais famosa. Vai querer ser chamada de presa política”, defendeu.

Anúncio

“É uma pessoa extremamente agressiva. Você dá um conselho para ela e ela acha que não é certo, ela começa a brigar, a agredir até fisicamente. É uma pessoa que não pode viver na sociedade.” O irmão da ativista é motorista particular no interior de São Paulo. Esta não é a primeira vez que ele faz declarações negativas sobre a irmã. Quando Sara foi alvo da busca e apreensão feita pela Polícia Federal no inquérito das fake news, Diego publicou uma série de posts no Facebook hostilizando a irmã. 

Nas publicações, ele chega a dizer, que “deveriam ter levado você também, irmã querida”, se referindo aos celulares, computadores e tablets que foram apreendidos, e que espera que “logo você vá”.  

A ativista política de extrema direita, Sara Winter, foi presa pela Polícia Federal na manhã desta segunda-feira (15), em Brasília. O mandado de prisão foi expedido pelo ministro Alexandre de Moraes, do Superior Tribunal Federal (STF).

Winter é líder do grupo ‘300 do Brasil’, de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ela é acusada de participar de movimentos antidemocráticos. Um deles, ocorrido no último final de semana, em frente à sede do Congresso Nacional.

A militante bolsonarista participou, também neste fim de semana, de manifestações de vandalismo contra o Supremo Tribubnal Federal (STF).

Fake news

Winter ainda é uma das indiciadas no inquérito sob investigação do STF sobre disseminação de fake news nas redes sociais. No início deste mês, a militante bolsonarista divulgou vídeos ameaçando o relator do processo, o ministro Alexandre de Moraes.

A militante foi presa na manhã desta segunda-feira, juntamente com outras cinco pessoas, cujas identidades não foram divulgadas. Todos os presos são investigados no inquérito das fake news.

 *Estagiária sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz .

Correio Braziliense