A realização de um rodeio na cidade de Itaipulândia, em novembro do ano passado, contrariando decisão judicial que impunha o cancelamento do evento, resultou na determinação de indisponibilidade de bens, no valor de R$ 80 mil, do prefeito da cidade, da secretária municipal de Administração e da procuradora jurídica do Município.
A liminar foi concedida na última semana, em 19 de abril, e atende ação civil pública por ato de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Paraná. O MP-PR, por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de São Miguel do Iguaçu, que inclui Itaipulândia, ajuizou a ação pelo fato do gestor municipal, da secretária e da procuradora terem descumprido ordem judicial que determinava a proibição do rodeio.
Os três foram intimados pouco antes do evento, mas mesmo assim não acataram a determinação da Justiça. Além de pleitear liminarmente a indisponibilidade de bens dos agentes públicos, no mérito da ação, o MP-PR requer a condenação dos três ao ressarcimento integral do dano causado ao erário, no montante de R$ 80 mil, e às sanções previstas pela Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92), o que pode levar à perda da função pública, suspensão dos direitos políticos e multa.
Maus-tratos contra animais
A liminar que proibiu a realização do rodeio atendeu ação da Promotoria de Justiça de São Miguel do Iguaçu, que buscava, com o cancelamento do evento, evitar a prática de maus-tratos contra animais.
A liminar descumprida impunha multa diária de R$ 80 mil, caso o rodeio fosse efetivado.
Posicionamento
A assessoria de imprensa da prefeitura de Itaipulândia deve divulgar nota de esclarecimento nas próximas horas, após uma reunião com os gestores citados pelo Ministério Público.
Assessoria de imprensa MP

 

Webmaster

PN News - O seu portal de notícias