Ministro da Cultura postou que iria esbofetear dois colunistas de um jornal.
Após reação negativa, João Soares pediu para sair do governo.

O ministro da Cultura de Portugal, João Soares, apresentou nesta sexta-feira (8) sua renúncia ao primeiro-ministro António Costa pela polêmica gerada após ter ameaçado esbofetear dois colunistas de um jornal.
O próprio ministro confirmou à EFE sua decisão de deixar o cargo e Costa aceitou o pedido.
“Aceito a avaliação que ele fez das condições que tinha para prosseguir no exercício de suas funções e, naturalmente, aceito seu pedido de renúncia”, explicou o chefe do governo em declarações aos jornalistas.
A controvérsia que o levou a deixar o cargo surgiu na quinta-feira (7), quando João Soares publicou um texto no Facebook no qual ameaçava agredir dois articulistas críticos à sua gestão.
“Em 1999 prometi a ele publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir, não cruzei com este personagem, Augusto Seabra, ao longo de todos estes anos. Mas continuo esperando ter essa sorte”, disse o ministro.
“Estou vendo que tenho que procurá-lo, ele e de quebra Basco Polido Valente, para as saudáveis bofetadas. Só pode fazer bem para eles. E para mim também”, afirmou.
Suas palavras causaram furor nas redes sociais e foram reproduzidas por todos os veículos de imprensa portugueses, gerando uma onda de reações.
O ministro demissionário, de 66 anos e filho do fundador do Partido Socialista luso Mário Soares, é um histórico dirigente desta formação e durante sua longa carreira na política ocupou o cargo de prefeito de Lisboa entre 1995 e 2001.

Fonte: G1

Webmaster

PN News - O seu portal de notícias

Anúncio