Oito suplentes de vereador tomaram posse na Câmara Municipal de Itaipulândia, no oeste de Paraná, na noite de sexta-feira (15). Eles substituem os oito parlamentares que foram presos na terça-feira (12) em Operação do Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público.

Com a saída de oito dos nove vereadores, coube ao único remanescente, Roberto Piano (PT), assumir a presidência da Câmara e empossar os suplentes. Eles assinaram o documento de posse e fizeram o juramento em uma cerimonia que durou cerca de uma hora e lotou a Câmara Municipal de Itaipulândia.

Os suspeitos são investigados por supostas irregularidades no uso de diárias pagas para viagens, estadias e cursos – que, muitas vezes, nem existiam. Além dos legisladores, que também foram afastados dos cargos, quatro servidores da Câmara foram presos temporariamente e outros dois – o contador e o ex-contador da Casa – conduzidos coercitivamente a depor no Fórum Estadual de São Miguel do Iguaçu.

“Temos agora que aguardar a posição da Justiça. Isso que aconteceu foi um alerta. Mas, sabemos que as irregularidades existiram”, apontou Piano.

Investigações
O cálculo dos investigadores é de que, em pouco mais de três anos, o grupo tenha causado prejuízo de R$ 700 mil em estadias irregulares. “Estes valores chamaram nossa atenção e a partir daí fizemos um levantamento e foi constatado que de fato os servidores e os vereadores estavam recebendo dinheiro público para não irem ou irem de forma incompleta para os cursos que eram ofertados”, comentou o promotor Fernando Cubas Cesar. As investigações tiveram início em julho de 2015.

Ainda na terça, agentes cumpriram mandados de busca e apreensão em Santa Terezinha de Itaipu. Estima-se que com o pagamento de diárias entre 2013 e 2015 os prejuízos passem de R$ 600 mil. Segundo o Gaeco, caso seja necessário, envolvidos também podem ter prisões decretadas.

As supostas irregularidades nos dois municípios já vinham sendo investigadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR).

 

Fonte : G1