Jorge Cerqueira de Andrade é auditor fiscal e suspeito de cobrar propina de empresários que estavam devendo impostos e multas para ‘limpar’ o nome deles. Ele e outros 2 foram presos nesta terça.

Um dos suspeitos de integrara uma quadrilha que atuava na Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro oferecia “parcelamento de propina”, segundo as investigações.

Jorge Cerqueira de Andrade, Alexandre Santiago Oliveira e Cláudio França foram presos preventivamente durante uma operação nesta terça-feira (2) e levados para a Cidade da Polícia.

Jorge é auditor fiscal da Secretaria Estadual de Fazenda e suspeito de cobrar propina de empresários que estavam devendo impostos e multas para “limpar” o nome deles. Na denúncia do Ministério Público, os promotores afirmam que, em um dos casos, uma empresa teria ultrapassado o limite de faturamento para participar do simples nacional, um programa de cobrança de impostos para microempresas.

Na denúncia do Ministério Público, os promotores afirmam que, em um dos casos, uma empresa teria ultrapassado o limite de faturamento para participar do simples nacional, um programa de cobrança de impostos para microempresas.

Com isso, a investigação aponta que Jorge cobrou R$ 1 milhão para não multar e excluir a empresa do programa. Se Jorge fizesse o trabalho dele, como fiscal, a multa que seria arrecadada pelos cofres públicos ficaria entre R$ 4 e R$ 5 milhões.

Os investigadores apontam que ele sempre escrevia os valores das propinas em um papel, e que chegava a oferecer parcelamento. Em um dos pedidos de propina de R$ 160 mil, Jorge deu ao empresário a opção de pagar parcelado em cinco vezes. Os investigadores afirmam ainda que Jorge fazia as reuniões dentro de um posto da Secretaria, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio.

Jorge Cerqueira de Andrade foi preso em casa, em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. A polícia apreendeu no apartamento dele obras de arte, joias, cheques, R$ 12 mil em espécie, muitos comprovantes de depósitos, além de um carro.

Crachá e acesso livre

O outro preso, Alexandre Santiago, não era funcionário da Secretária de Fazenda, mas tinha uma carteira de auditor e crachá de visitante com livre acesso ao prédio. Ele era o responsável por intermediar o pagamento da propina na secretaria.

O terceiro suspeito, Cláudio França Rocha, é auditor chefe da Inspetoria Regional da Secretaria de Fazenda. Era ele, segundo os promotores, que arquivava os procedimentos fiscais contra os empresários.

No Portal da Transparência do estado é possível ver que o salário de Jorge Cerqueira é de mais de R$ 58 mil. Já o de Cláudio França era R$ 51 um mil.

O esquema ainda envolvia outras quatro pessoas, entre funcionários da Secretaria de Fazenda e de uma empresa de contabilidade, que ajudava a convencer os empresários devedores a pagar a propina. As quatro pessoas não tiveram a prisão decretada, mas estão proibidos, pela Justiça, de continuar as atividades profissionais.

Todos os denunciados tiveram os bens confiscados para garantir o pagamento da multa e da reparação do dano aos cofres públicos. Em oito meses, o estado do Rio deixou de arrecadar R$ 5 milhões por causa do esquema de corrupção montado pela quadrilha.

“A gente está fazendo um levantamento de todos os procedimentos que o Jorge atuou nos últimos anos, e, dos 540 que ele atuou, só teve autuação em 140. Nós temos aí 400 processos administrativos que vão ser, certamente, revisados. E a gente imagina que o impacto que essa organização criminosa causou nos cofres já combalidos do estado do Rio de Janeiro é enorme”, explicou Bruno Gangoni.

Os advogados de Cláudio França Rocha disseram que estão analisando a denúncia e que todo o patrimônio dele foi declarado no imposto de renda. A TV Globo não conseguiu contato com os outros citados na reportagem.

Em nota, a Secretaria Estadual de Fazenda disse que Jorge Cerqueira de Andrade atuou em 540 processos, que resultaram em 140 autuações de empresários devedores e que a corregedoria do órgão vai revisar todos os 400 processos que foram arquivados.

Fonte: G1/RJ1

PN News

Anúncio