Embarques rumo a países da América do Sul caíram 5%. (Foto: Divulgação)

O turismo internacional cresceu 4% no primeiro semestre de 2019, puxado principalmente por destinos de Oriente Médio, Ásia e Pacífico. Embarques rumo a países da América do Sul, porém, caíram 5%. A redução se deve a um declínio do turismo argentino, país que passa por problemas econômicos, o que afetou seus vizinhos. As informações são do jornal Folha de S.Paulo e Ministério do Turismo.

Nas maiores economias latino-americanas, Brasil e México, os gastos com turismo internacional também caíram (5% e 13%, respectivamente).

Os dados, divulgados na segunda-feira (9) pela OMT (Organização Mundial do Turismo), são sempre em relação ao mesmo período de 2018.

Anúncio

O número absoluto de turistas internacionais entre janeiro e junho deste ano no mundo foi de 671 milhões.

A primeira metade de 2019 foi especialmente positiva para destinos no Oriente Médio, que registraram um aumento de 8% nas chegadas. Na Ásia e no Pacífico, os desembarques avançaram 6%, graças principalmente a turistas chineses.

Outros mercados também melhoraram: o europeu cresceu 4%, e o americano e africano, 2%. A OMT estima que até o fim do ano o turismo internacional avance de 3% a 4 %.

Pesquisa Mensal de Serviços

Já uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta-feira (12), aponta que o turismo continua em crescimento no Brasil. Os dados da PMS (Pesquisa Mensal de Serviços) mostram que, em julho de 2019, o índice de volume de atividades turísticas no país cresceu 4,4%, em comparação com o mesmo mês do ano passado. Esse aumento foi impulsionado, principalmente, pela maior receita de hotéis, restaurantes e locadoras de automóveis. Regionalmente, oito dos 12 estados pesquisados acompanharam o crescimento no mesmo período, com destaque para o Espírito Santo, que apresentou variação positiva de 9,6%, seguido do Rio de Janeiro (8,8%), Bahia (5,8%), Minas Gerais (5,6%), São Paulo (5,3%), Pernambuco (4,1%), Ceará (2,1%) e Goiás (0,7%). Em sentido contrário, os resultados negativos mais relevantes vieram de Santa Catarina (-5,6%), Paraná (-3,2%) e Rio Grande do Sul (-3,5%).

Já entre janeiro e julho de 2019, a taxa nacional mostrou crescimento de 3,2%, frente a igual período do ano passado. Oito estados registraram aumento no mesmo período: Ceará (8,5%), São Paulo (7,1%), Pernambuco (3,1%), Goiás (2,3%), Bahia (2,2%), Espírito Santo (1,9%), Minas Gerais (1,7%) e Rio de Janeiro (0,8%). Os índices acompanham um aumento crescente ao longo dos últimos meses. Em junho, as atividades turísticas cresceram 2,6% em relação ao mesmo período de 2018. Em julho, esse crescimento (4,4%) foi ainda maior, se comparado com o mesmo mês do ano passado.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, comemorou os números positivos divulgados pelo IBGE e reafirmou a relevância do setor para alavancar a economia brasileira. “Os dados mostram que o nosso trabalho está surtindo efeito. Estamos no caminho certo, levando o país para um desenvolvimento econômico sustentável, sempre com o objetivo de potencializar o turismo e gerar renda e emprego para a população”, comentou o ministro.

O Sul