Tudo o que a gente fala, faz, respira e pensa acaba voltando para o tema das prioridades. Saber quais são as suas prioridades não significa ser uma pessoa “super produtiva” ou tradicionalmente “mega responsável”. Quer dizer pura e simplesmente que você está confortável e confiante com a direção que a sua vida está tomando agora. Essa é a definição primordial de alguém que sabe quais são as suas prioridades atuais de vida.

Alguém que tem decisão & intenção por trás de tudo o que faz.

Eu também gosto de falar de prioridade em termos de foco e de atenção.

Anúncio

Costumo dizer que saber qual é o seu foco é o mesmo que criar uma sequência de prioridades. Ou seja: saber o porquê que X é mais importante, mais favorável ou mais gostoso que Y agora, no presente. Saber qual farol está guiando as suas decisões e te ajudando a discernir quais projetos & tarefas & iniciativas você vai abraçar agora (e porque você vai, intencionalmente, deixar tantas outras de lado) é o próprio ato de tomar conta da sua vida e de criar uma existência que seja verdadeiramente autêntica para você. E isso não acontece sem seleção.

Se você diz sim para tudo, inevitavelmente você termina numa sopa de caos. Uma sopa diferente, talvez, daquela que habitam as pessoas que não sabem para onde estão indo, mas uma tão perigosa quanto.

Treinar o seu músculo do discernimento, entender para o quê você diz não e pro que você diz sim (consciente o tempo todo dos motivos por trás dessas respostas) e afiar o seu Machado do Foco, dando conta de um grande projeto de cada vez, são três ótimas Metas Prioridades que você pode incorporar no seu planejamento para esse mês. No início é desafiador, mas te juro que vai ficando fácil com o tempo e que no fim vale muito à pena.

Qual deveria ser o meu foco, Ana?

Uma coisa eu te dou de graça: a sua vida nunca será 100% perfeita e igual.

Um coice muito ruim que o velho e bom exercício da roda da vida (que, no geral, tem uma capacidade imensa de nos trazer motivação, consciência e energia para o que queremos mudar de verdade) pode trazer é te dar a impressão que é possível nivelar e aplainar todas as esferas da sua existência com precisão milimétrica.

Dizendo em outras palavras: que você deveria estar dando atenção à todos os aspectos da sua vida ao mesmo tempo, de preferência nutrindo iniciativas em todos eles para lapidar as arestas com maestria militar. eu não sei vocês, mas eu sempre fui propensa à acreditar em qualquer narrativa que me prometia a perfeição.

A sua vida é misturada, ela não é equilibrada. partindo desse princípio, se pergunte: qual é o projeto ou a esfera da minha vida que agora, se desenvolvida e nutrida, mais me ajudaria a florescer e a ser feliz em outros aspectos da minha vida? eu gosto muitíssimo dessa pergunta. não existe uma única resposta certa, é claro.

Outra pergunta boa: o que você destralharia na sua vida hoje?

Ninguém organiza nada antes de saber para onde está indo. e seguir em frente e tocar a sua vida com graça e com gosto fica muito difícil quanto tá tudo uma bagunça. isso vale para quartos e vale para a sua vida como um todo.

Viva a sua prioridade em 3D

Alinhar a nossa realidade com o que a gente quer pra nossa vida nem sempre raramente é um processo imediato, suave e perfeito, mas a gente precisa sempre lembrar que nós temos muito mais força e pró-atividade do que lembramos que temos. a sua vida real-oficial pode ser um reflexo bonito e possível do que você gostaria de viver.

Quais hábitos diários (viáveis pra você agora) podem nutrir a sua grande prioridade? no caso de você ter escolhido uma prioridade bem definida (“criar um álbum com 10 músicas em dois meses”), faça um mapa mental ser um farol estrela guia do que você precisa fazer para Fazer essa prioridade acontecer na prática. pense nesse exercício como um registro de intenção perante o Universo e um ato de abrir uma porta para o desconhecido.

Como diz o Jon Acuff: o projeto inicial é exatamente isso, um projeto inicial.

O seu projeto nem sempre é aquilo o que você termina fazendo.

A vida acontece entre todos esses passos. seja projeto metódico ou seja prioridade imaterial, fazer um mapa mental é o exercício número um para você sair da sua mente, abrir o leque de caminhos possíveis a serem percorridos e pensar em formas reais e visíveis de levar aquela ideia pra a sua vida prática.

A sua vida é um reflexo do que você valoriza?

Para fechar esse combo de pensamentos e exercícios, eis uma sugestão que eu adorei aplicar na minha vida:

Quais são os princípios que estão guiando as minhas decisões de projetos hoje?

A gente sempre tem muitas possibilidades do que podemos fazer, correto? mesmo sabendo o que a gente valoriza, os caminhos são sempre múltiplos. e a gente até pode não reparar, mas existe um conjunto de filtros (às vezes até inconscientes) que nos ajudam a escolher qual projeto entra e qual projeto fica do lado de fora.

Eu tenho chamado esses filtros de “guias de decisões”.

Os princípios que te norteiam hoje podem não valer mais semana que vem e isso é super normal.

A gente precisa aceitar e entrar no embalo das mudanças da vida se a gente quiser sempre estar com a nossa verdade interna & autêntica bem esclarecida e organizada. Mas passar o rolo por cima desses princípios e se poupar do esforço de jogar uma luz em cima deles é uma atitude complacente que não vai te render mais do que alguns anos perdidos e vários projetos meio mé meio merda. um exemplo da minha vida: quando eu tirei férias no final de 2018 (mais ou menos um mês sem nenhuma atividade relacionada ao Eu Organizado) a minha grande prioridade era reaprender a viver sem trabalhar. Durante dois anos eu trabalhei todos os dias da semana.

Nessa brincadeira eu esqueci de descansar e perdi a visão de quem eu era quando estava fora do trabalho.

Eu mergulhei nessa prioridade de cabeça e, no meio de estudos & conversas & reflexões, me deparei com uma frase que se tornou a minha Luz Máxima durante aquele mês: colocar a vida no modo aleatório (que nem a gente faz com as playlists do Spotify, sabe?). essa frase é um princípio, um filtro de atitude, uma máxima, um valor.

Essa frase não encerrava uma grande prioridade pra mim, no geral.

Eu não quero viver a minha vida inteira 100% do tempo no modo aleatório, mas eu quero, sim, lembrar que eu preciso ter um tempo da semana dedicado exclusivamente ao acaso – à sucessão de eventos que cê nem sabe porque aconteceram ou aonde mais eles podem te levar. essa frase me ajudou muito nas férias e norteou o tipo de coisa que eu ia fazer e os projetos que eu ia abraçar ao longo do mês. e nossa, mano, como deu certo!

Quais princípios, filosofias ou frases estão norteando você ultimamente?

Eu Organizado, Ana Carolina